Monday, October 08, 2007

Busy, busy, busy...

Cada vez mais as Empresas se identificam com ritmos de elevada aceleração no trabalho ou, pelo menos assim o pretendem dar a entender.
Se reflectirmos um pouco e se estivermos atentos apercebemo-nos que esses ritmos alucinantes se devem, muitas das vezes, a um acumular de tarefas que integram uma elevada percentagem de actividades totalmente improdutivas.
Actualmente, manter permanentemente a equipa de colaboradores em situações de "hiper trabalho" é a grande aposta de muitos quadros dirigentes para encobrirem a sua incompetência e sem estes truques de ilusionismo não teriam capacidade de sobreviver muito tempo.
Em boa verdade, quanto maiores e mais complexas forem as Organizações que os acolhem, mais tempo se aguentam no poleiro.
Ai, ai!
Beijos,
da Princesa

1 comment:

Rogério Charraz said...

Cem por cento de acordo. Ando a dizer há muito anos que, com algumas excepções, o nosso mercado de trabalho valoriza mais a quantidade do que a qualidade do trabalho.